Follow by Email

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Luamei - Parte I e Parte II (mini-conto)

A ESSÊNCIA TERRESTRE PERDIDA DE LUAMEI (Parte I)

Luamei estava muito cansada e acabou adormecendo em uma grama macia, embaixo de uma árvore florida que a protegia com os seus galhos. Com tanta proteção começava a relaxar e despertar para os seus sonhos.

Mas um barulho despertou-a e quando viu ao seu lado um jornal onde anunciava um acidente de carro, mas antes que ela lê-se, o jornal saiu voando. Luamei saiu correndo atrás dele. O jornal parou perto da casa dela e olhando para uma placa e reparou que o nome da rua mudou, mas a casa não. Ela pega o jornal e entra na casa e fica apavorada por ver um caixão e seus pais chorando. Ela perguntava para eles o que tinha acontecido, mas não lhe respondiam, por intuição abriu o jornal e viu o nome da pessoa que morreu no acidente, era ela.

Neste momento ela acorda assustada, mas aliviada por saber que era sonho. Ela se levanta e percebe que tinha dormido no cemitério ao lado de um tumulo. No tumulo estava escrito o nome dela. O choque foi tão grande, que Luamei acabou lembrando tudo. O seu sonho foi verdadeiro e ela estava morta e não tinha percebido que sua essência terrestre tinha acabado. Agora só restava tentar salvar sua outra essência a espiritual para que esta não venha virar o pó do esquecimento.

LUAMEI DESISTINDO DA SUA VIDA ESPIRITUAL (Parte II)

Depois que Luamei descobrirá que sua essência terrestre tinha se perdido para sempre. Agora ela precisava salvar sua essência espiritual. No entanto, ela não sabia como fazer e nem com pedir ajuda. Estava sozinha sem rumo ou direção. A única coisa que veio em seus pensamentos, que ela devia seguir seus extintos, mesmo sem saber se era certo ou errado. Mas não podia ficar ali, ao lado do seu tumulo. Então decidiu andar, andar e andar... Esperando que nestas caminhadas acontece algo, de modo que ela pudesse saber se tinha esperança ou devia esperar pelo fim, ou seja, pelo esquecimento total.
Luamei caminhava e ao mesmo tempo como fleches lembrava coisas da sua vida terrestre. E cada Lembrança que via, ela percebia que não tinha sido perfeita. Lamentava-se muito, por pensar coisas ruins, por não ser o padrão da sociedade como: bonita, boa mãe, boa esposa, boa amiga, boa profissional, boa cozinheira, boa em tudo. Pensava consigo mesma! “Como não consegui ser o que os outros queriam”. Por que fui fraca?”Como errei muito na vida terrestre”. “Cada erro eu me isolava! “Por isso que eu achava que não era importante, boa, entre outras coisas”. “Eu não sabia perdoar, principalmente a minha pessoa”. No entanto eu me castigava, porque merecia, por ser má!”
Depois desta reflexão! Luamei decidiu desistir de lutar para manter a sua essência espiritual, iria deixar o pó do esquecimento leva - lá para todo sempre, porque achava que era a coisa certa a se fazer, para compensar o que não tinha feito na sua vida terrena. Não seria problema mais nem na vida terrena e nem na espiritual.
Ela continuou seu caminho e aos poucos, foi perdendo a sua energia espiritual. Tudo ao seu redor foi ficando fosco, opaco, sem brilho. Já na agüentava mais andar, respirar e pensar. Até que sem força e esperança caiu na escuridão. A sua essência estava virando pó, era o seu fim. O esquecimento selaria tudo e não teria mais retorno. No entanto, algo aconteceu...

Autoria: Édina de Araujo Ribeiro


Nenhum comentário: